Editorial: Autoabsolvição – entre os “nossos” e o “outro”