[IBADPP CAST] FERNANDA FURTADO: O valor probatório da palavra das mulheres vítimas de violência doméstica e sexual

No programa de hoje, convidamos Fernanda Furtado, socióloga e advogada criminalista, especialista em Política e Estratégia pela UNEB e Mestranda em Direito Público pela UFBA, pesquisadora do NESP/UFBA e coordenadora adjunta de departamento de cursos do IBADPP para conversar sobre o valor probatório da palavra das mulheres vítimas de violência doméstica e sexual.

Fernanda aponta a fragilidade das provas orais, a necessidade de utilizarmos a presunção de inocência como critério de legitimidade das decisões judiciais, e questiona se o direito penal é mesmo capaz de dar conta de questões tão complexas quanto a violência contra as mulheres, apontando suas raízes nos fundamentos estruturantes da nossa cultura. 

O episódio conta ainda com a leitura do poema “Mulher de vermelho”, de Angélica Freitas (Um útero é do tamanho de um punho), e com as indicações do filme “Pássaro do Oriente” (Wash Westmoreland, 2019 – Netflix), da série “Inacreditável” (Susannah Grant, 2019 – Netflix) e do livro “O feminismo é para todo mundo”, de bell hooks.

Para a sonorização desse episódio foi utilizado um pequeno trecho da música Geni e o Zepelim de autoria de Chico Buarque de Holanda interpretada por Alex Vaz e Alex Prol disponível em https://www.youtube.com/watch?v=4UXUJKtJma8

Referência Bibliográfica:

ADICHIE, Chimananda Ngozi. Sejamos todos feministas. São Paulo: Companhia das Letras, 2015.

AKOTIRENE, Carla. Interseccionalidade. São Paulo: Sueli Carneiro; Pólen, 2019.

ANDRADE, Vera Regina Pereira de. Minimalismos e abolicionismos: a crise do sistema penal entre a deslegitimação e a expansão. Revista da ESMEC, v. 03, n. 19, 2006.

ÁVILA, Gustavo Noronha de. Falsas memórias e sistema penal: a prova testemunhal em xeque.Editora Lumen Juris. Rio de Janeiro: 2013.

ÁVILA, Gustavo Noronha de; CARVALHO, Érika Mendes de. Sugestionabilidade e desenvolvimento de critérios identificadores: a prova penal e a testemunha. In: BAYER, Diego Augusto (Org.). Controvérsias Criminais: Estudos de Direito Penal, Processo Penal e Criminologia. Jaraguá do Sul, Editora Letras e Conceitos, 2013.p. 345-371.

BADARÓ, Gustavo. Epistemologia judiciária e prova penal. São Paulo: Thomson Reuters Brasil, 2019.

BALDASSO, Flaviane; ÁVILA, Gustavo Noronha de. A Repercussão do Fenômeno das Falsas Memórias na Prova Testemunhal: uma análise a partir dos Julgados do Tribunal de Justiça do Rio Grande do Sul. Revista Brasileira de Direito Processual Penal, Porto Alegre, vol. 4, n. 1, p. 371-409, jan.-abr., 2018.

BIANCHINI, Alice. Lei Maria da Penha: Lei n. 11.340/2006: aspectos assistenciais, protetivos e criminais da violência de gênero. 3.a. ed. São Paulo: Saraiva, 2016.

BUTLER, Judith P. Problemas de gênero: feminismo e subversão da identidade. 17.a. ed. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2019.

CALDAS, Fernanda Furtado; PRADO, Alessandra Rapacci Mascarenhas. A presunção de veracidade dos testemunhos prestados por policiais: inversão o ônus da prova e violação ao princípio da presunção da inocência. Revista Brasileira de Ciências Criminais. Vol. 166/2020. P. 85-127. Abr/2020.

DAVIS, Angela. Estarão as prisões obsoletas? 1.a. ed. Rio de Janeiro: Difel, 2018.

DAVIS, Angela. Mulheres, raça e classe. São Paulo: Boitempo, 2016.

FERNANDES, Lara Teles. Prova testemunhal no processo penal: uma proposta interdisciplinar de valoração. Florianópolis: Emais, 2019.

FERRAJOLI, Luigi. Democracia y garantismo. Trad. de Perfecto Andrés Ibañez et al. Madrid: Trotta, 2008.

FERRAJOLI, Luigi. Direito e Razão: teoria do garantismo penal. Trad. Ana Paula Zomer Sica e outros. 4.ed. São Paulo: Editora Revista dos Tribunais, 2014.

FERRER BELTRÁN, Jordi. La valoración racional de la prueba. Madrid: Marcial Pons, 2007.

GIACOMOLLI, Nereu José; DI GESU, Cristina Carla. Considerações acerca da prova testemunhal no processo penal. Em: FAYET JÚNIOR, Ney; MAYA, André Machado (org.). Ciências penais e sociedade complexa. Porto Alegre: Núria Fabris Editora, 2009.

hooks, bell. O feminismo é para todo mundo: políticas arrebatadoras. 7.a. ed. Rio de Janeiro: Rosa dos Tempos, 2019.

KALINSKY, Beatriz. Los testigos son los ojos de los jueces: la formación de creencias en los procesos orales. Cuadernos de Doctrina y Jurisprudencia Penal. Criminologia, ano 1, n. 1, p. 119-132, 2002.

KHALED JR., Salah H. A busca da verdade no processo penal: para além da ambição inquisitorial. 2. ed. Belo Horizonte: Letramento, Casa do Direito, 2016.

LOPES JR., Aury; DI GESU, Cristina Carla. Falsas memórias e prova testemunhal no processo penal: em busca da redução de danos. Revista de Estudos Criminais, Porto Alegre, Ano VII, n. 25, p. 59-69, 2007.

MATIDA, Janaina Roland. A determinação dos fatos nos crimes de gênero: entre compromissos epistêmicos e o respeito à presunção da inocência. In: NICOLITT, André; AUGUSTO, Cristiane Brandão (orgs.). Violência de Gênero: temas polêmicos e atuais. Belo Horizonte: Editora D’Plácido, 2019.

MATIDA, Janaina Roland. Em defesa de um conceito jurídico de presunção. Tese de doutorado (Direito). Orientador: Jordi Ferrer Beltrán. Co-orientador: Carmen Vázquez. Girona, 2018.

MATIDA, Janaina. Standards de prova: a modéstia necessária a juízes e o abandono da prova por convicção. In: CALDAS, Diana Furtado; ANDRADE, Gabriela Lima; RIOS, Lucas P. Carapiá (org.). Arquivos da Resistência: Ensaios e Anais do VII Seminário Nacional do IBADPP. Florianópolis: Tirant lo Blanch, 2019. P. 93-110.

MINISTÉRIO DA JUSTIÇA; IPEA. Avanços científicos em psicologia do testemunho aplicados ao reconhecimento pessoal e aos depoimentos forenses. STEIN, Lilian.  (Coord.), Série Pensando o Direito, n. 59. Brasília: Ministério da Justiça, Secretaria de Assuntos Legislativos; IPEA, 2015. Disponível em: <http://pensando.mj.gov.br/publicacoes/>. Acesso em 30 maio 2019.

RAMOS, Vitor de Paula. Prova testemunhal. Do subjetivismo ao objectivismo, do isolamento científico ao diálogo com a psicologia e a epistemologia. Tese de doutorado. Orientador na UFRGS: Daniel Mitidiero. Orientador UndG: Jordi Ferrer Beltrán. Porto Alegre e Girona, 2018. Disponível em: https://hdl.handle/10803/482109 Acesso em 05/04/2019.

RIBAS, Carlos Alberto Barbosa Dias. A credibilidade do testemunho: a verdade e a mentira nos tribunais. 2011. Dissertação (Mestrado em Medicina Legal). Instituto de Ciências Biomédicas Abel Salazar, Universidade do Porto, Porto, 2011. Disponível em: <https://repositorio-aberto.up.pt/handle/10216/57090>. Acesso em: 30 maio 2019.

STEIN, Lilian Milnitsky; NYGAARD, Maria Lúcia Campani. A memória em julgamento: uma análise cognitiva dos depoimentos testemunhais. Revista Brasileira de Ciências Criminais, São Paulo, n. 43, p. 151-164, abr.-jun., 2003.

VIEIRA, Antônio. Riscos epistêmcios no reconhecimento de pessoas: contribuições a partir da neurociência e da psicologia do testemunho. Trincheira democrática – Boletim Revista do Instituto Baiano de Direito Processual Penal, Ano 2, nº 3, 2019.