Editorial: “A utopia está lá no horizonte…” : Devaneios sobre cansaço, vaidade e Ritalina em um mundo jurídico não instagramável

Aviso: durante a leitura deste texto ocorrerão 85302 lives imperdíveis. Então, se você não está participando de uma delas como debatedor ou comentarista, boa leitura!

Quem trabalha com direito penal já deve ter escutado muitas vezes a expressão “enxugar gelo” para se referir às nossas tentativas de mudar o sistema penal. Afinal, a gente poupa a vida de um Luiz Carlos, mas assiste à morte de quantos? É fácil se perder nas batalhas cotidianas, nas derrotas frequentes, na sensação de impotência. Às vezes vem uma decisão que parece mudar tudo, mas não muda. E ainda assim levantamos todos os dias para tentar um pouco mais.

– Bom dia! Um expresso duplo, Ritalina 10mg e um pão de queijo, por favor!

Mas tem dias que não dá. Tem dias que dá vontade de ficar em casa (sem home office) se você pode e os boletos da anuidade da Ordem e do aluguel do escritório não lhe assombram. Ou se você não precisa provar no LinkedIn, no Instagram e no Facebook que é incrivelmente competente e vive um seriado da Netflix num mix esquizofrênico de herói da Marvel com Annalise Keating. Provar pra quê(m)?

Se não sabemos a hora de romper com as engrenagens de um mundo que nos exige uma produtividade oca, seremos massacrados por elas, até não termos vida dentro de nós para oferecer. Até nossos gestos se tornarem vazios e mecânicos e pararmos de nos importar. Até tomarmos pra nós as palavras de Caetano – “O meu lábio não diz / O meu gesto não faz / Eu me sinto vazio e ainda assim farto”[1].

Relembre porque você começou. Questione as coisas para as quais você tem dito sim. Questione as coisas que têm servido mais para alimentar a sua vaidade do que para mudar o sistema. Com esse “new post” você quer dar visibilidade ao caso de mais uma vítima da seletividade do sistema ou está mais preocupado com o engajamento via necrolikes?

E antes que se inicie mais uma live: qual é o horizonte que abriga a sua utopia? Talvez, entre dois passos de afastamento e dez que lhe separam da chegada, você passe por ele e nem perceba. A caminhada perdeu o sentido e a única certeza é que os calos virão.

REFERÊNCIAS

[1] Fernando Birri, citado por Eduardo Galeano in “Las palabras andantes?”-  Siglo XXI, 1994.

[2] Caetano Veloso – Música Estou triste – Álbum Abraçaço.


Ana Luiza Nazário
+ posts
Fernanda Furtado Caldas
+ posts